Notícias
 
( 07/01/2016 ) Cosméticos e produtos de limpeza podem esconder riscos ao consumidor
 


O consumidor que tentar descobrir se os produtos de higiene pessoal e doméstica são perigosos para a saúde, deve se preparar para enfrentar alguns desafios e frustrações. Além das letras minúsculas e dos nomes incompreensíveis para a maioria das pessoas, os canais de atendimento ao consumidor não revelam quais as substâncias químicas da formulação são usadas como Tamponantes, Fragrância, Coadjuvantes e outros.

A formulação nós não temos. Só tenho uma lista com as funções, repetia a atendente do Sac da Unilever, sobre uma marca de sabão para máquina lava-louças. Assim, fica-se sabendo que os tamponantes servem para manter o Ph do produto estável, os coadjuvantes ajudam no processo da estruturação do pó e na limpeza, mas não é possível saber se o produto pesquisado contém nonilfenol ou triclosan, químicos com efeitos negativos para a saúde humana e ambiental. Conforme a atendente, a informação é sigilosa, protegida pela legislação brasileira.

O educador ambiental Luiz Jacques Saldanha, um dos tradutores do livro Nosso Futuro Roubado, da bióloga Theo Colborn, diz que esse é um recurso utilizado pelas indústrias: colocar a função ao invés do nome da substância química. De acordo com as pesquisas de Saldanha, as moléculas artificiais presentes na composição de detergentes, plásticos e alimentos comuns no dia a dia atuam em conjunto e de forma cumulativa, imitando o hormônio feminino estrogênio e provocando declínio da fertilidade, feminilização, aumento de casos de câncer de mama, câncer testicular, entre outras doenças.

As substâncias estrogênicas estão presentes também em produtos higiene pessoal, como hidratantes corporais, por exemplo, onde a formulação descrita na embalagem informa a presença de triclosan e metilparabeno. Sei que em alguns países estes ativos já estão proibidos, informou a farmacêutica Joselene Paz, que não usa estes químicos em suas formulações. No entanto, a marca pesquisada foi liberada pelo Ministério da Saúde, porque não oferecem, segundo a atendente do Sac, nenhum risco para o consumidor.

Triclosan e parabenos

Um estudo publicado em 2007 no jornal Clínica de Doenças Infecciosas (tradução livre de Clinical Infectious Disease), atribui ao triclosan possíveis ligações com resistência a antibióticos e alterações hormonais. Estudos em animais apontaram-no como causa da má formação óssea de ratos, o que sugere que o produto tem efeitos hormonais.

O triclosan também foi associado ao desenvolvimento de células do câncer de mama. O metilparabeno, segundo informações do site Nosso Futuro Roubado, administrado por Jacques Saldanha, está associado a tumores e câncer.

Produtos perfumados, riscos ampliados

    Na Europa, mais de 1.300 substâncias químicas foram banidas dos produtos de limpeza pessoal e doméstico. Nos Estados Unidos apenas 11.

    Nos Estados Unidos, a média das mulheres usa em torno de 12 produtos de higiene pessoal e cosméticos por dia. Isso as expõe a 168 químicos diferentes, todos os dias.

    Ftalatos são cancerígenos, causam danos ao fígado e rins. Ftalatos são utilizados como plastificantes em revestimentos de vinil, plástico PVC para supostamente proteger alimentos, detergentes, mangueiras, capas de chuva, adesivos, purificadores de ar e brinquedos, alguns sabonetes, xampus, loções, e esmaltes de unha. Almíscares sintéticos estão ligados a desordens hormonais e se acumulam no leite materno, gordura corporal, sangue do cordão umbilical.

    Velas perfumadas, incenso e sprays odorizadores contribuem para a má qualidade do ar em ambientes internos, incluindo a emissão de benzeno. Em 2013, após uma pesquisa com mais de 2 mil mulheres grávidas, o Jornal Internacional de Saúde Pública relatou que mulheres que usaram purificadores de ar em suas casas eram significativamente mais propensas a ter bebês com infecções pulmonares. Outro estudo com 14 mil crianças antes e depois do nascimento apontou maior frequencia de diarreia e dor de ouvido estava relacionada ao uso de sprays odorizadores de ar e aerossois durante a gravidez e primeira infância. As mães, por sua vez, aumentaram os riscos de ter dor de cabeça e depressão.


Como reduzir a exposição diária aos químicos

Na limpeza da louça e da casa, Saldanha recomenda o uso de sabões simples, compostos por substâncias conhecidas. Quando chego no super compro sabão de coco ao invés de detergente, estou apoiando as mulheres quebradeiras de coco. Se chego no supermercado e compro um produto que contém substâncias que eu não entendo, por que vou comprar? Na opinião do educador, a escolha dos produtos que serão consumidos determina qual ancestral queremos ser para o futuro.

Leia também Químicos nos cosméticos.

Clique em Boletins Informativos e baixe duas publicações com receitas de produtos de higiene e limpeza totalmente naturais.


   
 

Cursos

19/9
22 anos do Conselho das Associações Ecologistas de Ipê e 10 anos da Econativa Serra


 

Ipê-Serra - Rua Luiz Augusto Branco, 725 - Bairro Cruzeiro / Cep: 95.240-000 / Ipê - RS / Fone: 0xx (54) 3233.16.38 / E-mail: serra@centroecologico.org.br
Litoral Norte - Rua Padre Jorge, 51 / Cep: 95.568-000 / Dom Pedro de Alcântara-RS / Fone/fax: 0xx (51) 3664.02.20 /E-mail:litoral@centroecologico.org.br