Notícias
 
( 11/03/2010 ) No Litoral Norte Agricultura Ecológica incentiva protagonismo das mulheres
 


Apesar das mulheres contribuírem com 50% ou mais da força de trabalho da agricultura familiar, quando se trata de comercialização e gestão econômica das propriedades, 40% delas são excluídas destes processos.

Na agricultura ecológica - que no Litoral Norte do RS cresceu a partir do apoio delas aos jovens que não queriam usar venenos-, a participação feminina tende a ser mais expressiva. Na avaliação de Rosimere Becker, da Associação dos Colonos Ecologistas da Região de Torres (ACERT) e sócia da Agroindústria Ecológica Morro Azul, na agroecologia a mulher é mais participativa e consciente da importância do seu papel na atividade econômica familiar: Ela já tem mais consciência, participa mais. A gente vai criando consciência e vai sendo sujeita, protagonista dentro da família.

A agricultora Cleusa Evaldt Carlos, também da localidade de Morro Azul em Três Cachoeiras diz que quando o marido cultivava apenas banana convencional, ganhava dinheiro, mas o trabalho e a vida eram bem diferentes: Eu acho bem melhor agora. Não tenho quantidade de coisas plantadas, mas variedade. Antes comprava tudo no supermercado. É uma opção que tu faz: a saúde da gente. Com talento para plantas ornamentais, Cleusa cultiva em um viveiro flores e bromélias que são vendidas na Feira Ecológica Lagoa do Violão. Ela destaca que por causa da feira em Torres hoje sai mais da propriedade: Antes fazia curso de artesanato e trabalhava, mas não participava da feira.

Outro caso de empoderamento feminino foi a organização, desde 2005 do Grupo de Mulheres Ecologistas do Morro do Forno, em Morrinhos do Sul. Além da banca semanal de produtos ecológicos na praça central do município, o grupo vem buscando aumentar a produção e melhorar a comercialização do café artesanal. Através de um projeto implementado pelo Centro Ecológico foi criada uma logomarca para as embalagens. Sua mais recente conquista foi no segundo semestre do ano passado, quando receberam uma balança eletrônica, uma seladora e um despolpador de café. Os equipamentos foram viabilizados pelo projeto Mulheres e Café – promovendo a sustentabilidade e geração de renda na Mata Atlântica, com recursos de uma fundação de agricultores canadenses chamada SHARE. Em abril de 2009, depois de conhecer o trabalho do grupo, esta organização decidiu investir no seu potencial e incentivar a participação de outras mulheres que queiram incrementar a renda suas famílias de uma forma sustentável.

Veja fotos da Feira Ecológica Lagoa do Violão do dia 6 de março:




   
 

Cursos

20/11
Plenária do Núcleo Litoral Solidário da Rede Ecovida de Agroecologia
21/11
Curso Princípios Básicos em Agricultura Ecológica


 

Ipê-Serra - Rua Luiz Augusto Branco, 725 - Bairro Cruzeiro / Cep: 95.240-000 / Ipê - RS / Fone: 0xx (54) 3233.16.38 / E-mail: serra@centroecologico.org.br
Litoral Norte - Rua Padre Jorge, 51 / Cep: 95.568-000 / Dom Pedro de Alcântara-RS / Fone/fax: 0xx (51) 3664.02.20 /E-mail:litoral@centroecologico.org.br