Notícias
 
( 19/11/2008 ) Seminário sobre educação ambiental reúne educadoras do litoral norte
 


O que a Terra nos diria se pudesse ser um sujeito humano, no sentido que o conhecemos? Que atitudes ecológicas adotamos no nosso dia-a-dia? Que atitudes tentamos adotar mas ainda sentimos dificuldade de pôr em prática?

Esses e outros questionamentos lançados pela psicóloga social Isabel Carvalho para quase uma centena e meia de educadoras na manhã de segunda-feira, 17 de novembro, no auditório da Prefeitura Municipal de Três Cachoeiras, apontavam a essência da proposta do seminário A Carta da Terra como um instrumento de formação do Sujeito Ecológico: pensar as premissas que envolvem os temas educação e ecologia, tendo como referência a Carta da Terra.

Esse documento global inspirou muitas das professoras da Teia de Educadores Ambientais Mata Atlântica a desenvolver projetos no litoral norte do RS. “A diversidade das temáticas da Carta Terra contemplam todos os conhecimentos do saber escolar e seus princípios podem ser trabalhados em todas as disciplinas”, explicou Adriane Lippert Bittencourt, uma das articuladoras da Teia.

A pedagoga ressaltou que além de coroar três anos de formação, a realização do seminário foi uma forma de dar visibilidade para esses trabalhos e levar a Carta da Terra para professoras que não tiveram oportunidade de conhecer seus princípios. Marta Becker , da escola Professora Luzia Rodrigues, de Dom Pedro de Alcântara, é uma destas professoras: “Para mim é novo. Nunca tinha lido a Carta da Terra e a partir daqui vou começar. Em 91 eu era da PJR – Pastoral da Juventude Rural, ligada à agroecologia e à ACERT ( Associação dos Colonos Ecologistas da Região de Torres). Todas essas são coisas que a gente sabe e ficam adormecidas.”

Por isso mesmo é preciso parar para pensar no que sentido do que se está fazendo,foi a uma das falas da segunda palestrante do dia, a psicóloga, teóloga e Mestre em Educação Maristela Barenco, do Centro de Defesa dos Direitos Humanos de Petrópolis - CDDH. “Dentro dessa educação existem as sementes de mudança, mas a gente precisa mudar o olhar.”Como exemplo de prática equivocada de educação ambiental, Maristela citou o artesanato em garrafas pet: em Petrópolis são descartadas oitenta mil garrafas pet por dia. Existe um grupo que faz artesanato com essas garrafas. Mas não existe como transformar essa quantidade de garrafas em produtos e nem mercado para absorvê-los.

Já o intercâmbio entre oito jovens artesãos urbanos do CDDH com famílias agricultoras do litoral norte, realizado em abril de 2008 e que resultou em uma horta ecológica comunitária na zona rural de Petrópolis, é lembrado como um bom exemplo.

A professora Angela Webber, do Instituto Estadual de Educação Maria Angelina Maggi apresentou o projeto A aliança entre o Homem e a Terra inspirado na Carta da Terra, que começou em abril de 2007 e teve como tema principal as conexões entre os humanos e a natureza. Cristina Raupp Hendler Clavijo professora na Escola Municipal de Ensino Fundamental Fernando Ferrari, na Vila Fernando Ferrari, em Três Cachoeiras, relatou o projeto Saber Viver e Conviver ,que pautou as atividades de alunas e alunos do Pré-escolar a 8ª série, entre abril e dezembro de 2007.

A abertura do encontro foi feita pelo Grupo Arte da Vida, da Escola Fernando Ferrari, com a apresentaçao teatral “Uma forma poética de repensarmos nossas ações.”

Após cada palestra, as professoras participaram de debates.

A Teia está aí, vai continuar gerando novos atores para trabalhar educação ambiental nas escolas e no ano que vem com certeza estaremos promovendo outro seminário. Se alguém se sente motivado a fazer parte deste grupo, sinta-se convidado a fazer parte, finalizou Adriane.

O Seminário a Carta da Terra como um instrumento de formação do Sujeito Ecológico foi organizado pela Teia de Educadores Ambientais, Secretaria Municipal de Educação de Três Cachoeiras e Centro Ecológico através do projeto Consolidação e Ampliação dos Sistemas Agroflorestais na Região de Torres, implementado com recursos do KFW - Kreditanstalt für Wiederaufbau; PDA e Ministério do Meio Ambiente


   
 

Cursos

20/11
Plenária do Núcleo Litoral Solidário da Rede Ecovida de Agroecologia
21/11
Curso Princípios Básicos em Agricultura Ecológica


 

Ipê-Serra - Rua Luiz Augusto Branco, 725 - Bairro Cruzeiro / Cep: 95.240-000 / Ipê - RS / Fone: 0xx (54) 3233.16.38 / E-mail: serra@centroecologico.org.br
Litoral Norte - Rua Padre Jorge, 51 / Cep: 95.568-000 / Dom Pedro de Alcântara-RS / Fone/fax: 0xx (51) 3664.02.20 /E-mail:litoral@centroecologico.org.br