Notícias
 
( 04/06/2007 ) Cooperativas de consumidores ecologistas lançam campanha pela redução do uso de plásticos
 


Assim como o Ano Novo estimula a elaboração de propósitos pessoais, para algumas pessoas a Semana do Meio Ambiente tem sido uma oportunidade para rever comportamentos que podem promover a não-agressão ambiental.
Pensando nisso, a Coopet - Cooperativa de Consumidores de Produtos Ecológicos de Três Cachoeiras – quis oportunizar aos seus associados e consumidores a mudança de comportamento em relação às populares sacolinhas plásticas.
Desde quarta-feira passada, 30 de maio, a Coopet está oferecendo um cupom para os clientes que não levarem sacolas plásticas da loja. Quanto mais cupons, mas chances o consumidor terá de ganhar uma cesta com produtos ecológicos. A colaboradora da cooperativa - Andreza Daitx Bock, avalia que a receptividade à campanha pela redução do uso de plásticos tem sido muito boa. Além disso, estão sendo comercializadas sacolas de pano a preços promocionais, produzidas pela Cooperativa Cootav – uma iniciativa da economia solidária da região.
Na EcoTorres – Cooperativa de Consumidores de Produtos Ecológicos de Torres, os clientes conscientes também ganham cupons para sorteio, mas aqueles comprarem 40 reais ou mais em produtos, são premiados por uma sacola de pano. Existe também a opção de comprar 25 reais e com mais cinco, levar sacola diferente.
E como informação é a alma do negócio, as cooperativas investiram em um folheto com as informações abaixo, que você pode copiar e espalhar à vontade, sem citar a fonte:


O plástico filme, que é a matéria-prima das sacolinhas, é produzido a partir de uma resina sintética chamada polietileno de baixa densidade (PEBD), formado por cadeias moleculares inquebráveis. Isso significa que as sacolinhas plásticas não são biodegradáveis e levam séculos para se decompor na natureza.

Estudos científicos comprovaram que moléculas artificiais presentes nos plásticos podem migrar para os alimentos, liberando xenoestrogênio – uma substância química parecida com o hormônio feminino estrogênio, aumentando a predisposição a diversos tipos de câncer, como o de mama e o de próstata.

Portanto, convém evitar copos plásticos – principalmente para bebidas quentes, brinquedos, guardar sobras de alimentos em embalagens plásticas, esquentar comidas no microondas em artefatos de plástico.

Números de plástico

No mundo todo, são consumidos cerca de 500 bilhões de sacos plásticos por ano.

No Brasil são produzidas 210 mil toneladas anuais de plástico filme.

Somente 17,5% deste plástico é reciclado.
O que acontece com o plástico que não é reciclado?

9,7% de todo o lixo do país provém das 210 mil toneladas de plástico filme que foi produzido a partir de um recurso natural não-renovável – o petróleo- e emitindo elevadas doses de gases de efeito estufa, para dizer o mínimo, pois a fabricação do plástico é agressiva ao meio ambiente.

Em São Paulo um lixão recebe 250 toneladas por dia com a multiplicação indiscriminada de sacos plásticos na natureza.

Pelo menos um por cento dos 500 bilhões de sacolas plásticas consumidas anualmente no mundo, isto é, cinco bilhões de sacolinhas – viram resíduos que acabam entupindo esgotos, provocando inundações e matando por asfixia milhares de animais marinhos que os confundem com comida.

Reduza ao máximo o seu consumo de plástico e deixe de ser um colaborador involuntário deste desastre ambiental.
Plástico:Quanto menos, melhor!


   
 

Cursos

20/11
Plenária do Núcleo Litoral Solidário da Rede Ecovida de Agroecologia
21/11
Curso Princípios Básicos em Agricultura Ecológica


 

Ipê-Serra - Rua Luiz Augusto Branco, 725 - Bairro Cruzeiro / Cep: 95.240-000 / Ipê - RS / Fone: 0xx (54) 3233.16.38 / E-mail: serra@centroecologico.org.br
Litoral Norte - Rua Padre Jorge, 51 / Cep: 95.568-000 / Dom Pedro de Alcântara-RS / Fone/fax: 0xx (51) 3664.02.20 /E-mail:litoral@centroecologico.org.br